BELMOND COPACABANA PALACE

segunda-feira, agosto 31, 2015


Nossa estadia no tão badalado e tradicional Copacabana Palace não seria cômico, mas seria quase por um motivo trágico. Depois de madrugar as 4h e ir pro aeroporto de Foz do Iguaçu e não ter minhas passagens, já pagas por mim à agência, tendo que comprá-las novamente na "boca do caixa" e pagando uma pequena fortuna, chegamos ao aeroporto do Rio de Janeiro e mais uma vez nos deparamos sem nossas passagens já PAGAS para Lisboa. Até que a agência resolvesse nossos problemas escolhemos nos hospedar em algum hotel do Rio para não ter que ficar ainda mais estressada no aeroporto. Entrei no aplicativo de um site de reservas de hotel e achei o Belmond com um preço muito atraente. Pimba. Nem pensei, reservei.

Chegamos ao hotel exaustos, nervosos e super indignados com toda a situação e só queríamos uma cama para descansar. Vocês não têm noção da simpatia das meninas da recepção. Só faltaram nos carregar no colo. Logo trouxeram um expresso e um brigadeirinho para dar uma adoçada no meu mal-humor. Depois do check in, quando já estávamos instalados, nos enviaram uma garrafa de champagne com um bilhete muito fofo. Obrigada Maira você foi muito simpática.

Acabamos hospedados por 2 noites.  No dia da saída , fui até a recepção e disse que possuía um blog de viagens e se era possível conhecer todas as dependências do hotel, inclusive a ala das suítes com a famosa piscina "negra". Fui prontamente atendida e a Thaíssa, um doce de menina, nos acompanhou por tudo e ainda fez fotos da gente (algo tão raro de acontecer termos fotos juntos).

Na primeira noite jantamos no Cipriani que fica no hotel mesmo e na segunda noite fomos conhecer o restaurante da Roberta Sudbrack na Lagoa.



Suítes:


Nesse andar ficam todas as suítes do hotel. Se não me falhe a memória, são 7 ao todo. O andar possui um mordomo que fica à disposição de todos os hóspedes e existe uma pequena cozinha para aqueles mais exigentes que levam os seus cozinheiros particulares.
A decoração é muito sóbria e remete à flora amazônica com pinturas feitas à mão nas paredes.







 Eu tinha muita curiosidade em conhecer essa piscina pois sempre vi fotos nos instagrans e revistas. O acesso é permitido apenas para os hóspedes das suítes e você nem precisa se preocupar em levar o protetor solar, está disponível à vontade.









RESTAURANTE CIPRIANI

Aproveitamos e fizemos uma reserva para jantar  no Cipriani, restaurante italiano que fica dentro do hotel. A decoração é bem clássica e remete à Veneza, cidade onde está o primeiro Cipriani da rede. E a música do dia era instrumental. Já de antemão peço desculpas pelas fotos, era noite, a iluminação é indireta e o flash da câmera só serve para estragar as fotos, então me permito não usar !
 Hall de entrada do restaurante 



Scheherazade, é assim que se chamam essas luminárias feitas em seda pintada à mão e de murano


As gravuras nas paredes são todas alusivas à Veneza



Couvert: cesta de seleção de pães quentinhos, grisinis, broas e casquinha de parmesão com manteiga trufada, queijo cremoso com páprica e azeite extravirgem. 



 Uma tacinha de Belini para começar a noite 



Olhando as fotos agora eu não estou conseguindo lembrar o nome deles, erro cruel, eu sei, preciso aprender a anotar essas coisas, mas sabe como é, no calor da emoção a gente esquece quase tudo. A foto acima acredito que seja uma polenta trufada com camarões.


A foto acima é impossível de esquecer, esse é um queijo envolto em massa folhada e servido com uma redução de shitake. Divino, perfeito, sensacional. Comeria só isso.


Escalope de Vitelo ao limão com risoto a parmegiana

Essa foi nossa vista


A sobremesa não poderia ser outra: tiramisu veneziana. Eu amo tiramisu, peço em todos os restaurantes, mas geralmente me decepciono com o sabor, nada comparado com aqueles que a gente come na Itália, mas esse gente, vocês não têm noção de bom que é. Massa bem úmida, doçura na medida certa e a casquinha de chocolate que serve de embalagem e é a cereja do bolo.



E para fechar a noite com muita felicidade, eis os petits fours que vieram acompanhados de uma deliciosa xícara de chá de menta

Eu não posso esquecer de falar sobre o atendimento. Desde a entrada até o garçom que nos serviu foi tudo muito íntimo, como se fôssemos frequentadores frequentes. Quando me levantei para ir ao banheiro, nem precisei pedir onde era, já me informaram o caminho. Pode ser um ato simples, mas é nas pequenas coisas que observamos o cuidado e carinho que as pessoas dedicam ao trabalho.


Posso dizer que realizei um sonho antigo! Sempre sonhei, mas nunca imaginei me hospedar no Copacabana por um "imprevisto". Todas as vezes que planejei me hospedar nesse hotel, era por um motivo louvável, como aniversário de casamento, festa de Réveillon ou algo à altura.
Gostaria de agradecer imensamente a Maira do guest relations que foi muito sensível e atenciosa conosco, à Vanessa do concierge que me ajudou a montar um roteirinho vapt-vupt e à Thaíssa que fez um tour conosco por todo o hotel e ainda fez várias fotos nossas. Na saída as meninas ainda me presentearam com um livro lindo que conta a história do hotel e tem várias curiosidades sobre hóspedes ilustres e as grandes festas que aconteceram ali.
Take care !!

You Might Also Like

0 comentários

Posts Populares

Curta a página

Por onde já passei