CASTELO DE WAWEL EM CRACÓVIA - POLÔNIA

quarta-feira, abril 26, 2017




De todos os países europeus que conhecemos, posso afirmar que a Polônia roubou o meu coração. Os motivos são muitos, primeiro porque sou descendente de poloneses, depois porque admiro muito a história de superação de um povo que tem marcado na alma rastros tão atuais de violência e pode ter certeza, não existe se quer uma pessoa desse país que não tenha um parente que sofreu, foi torturado ou morto durante a Segunda Guerra Mundial. Só por isso já merecem nosso respeito e reverência.


Aí você fica sabendo desse passado de horror e pensa: deve ser um lugar sisudo, de poucos amigos e nenhum sorriso no rosto. Muito pelo contrário, é um lugar festivo, animado, divertido, simpático e acolhedor. As pessoas são educadas e super receptivas. Um sorriso é algo que você recebe espontaneamente. As pessoas são cultas e têm orgulho de tudo que viveram pois conseguiram reconstruir suas casas e suas vidas a partir de um monte de escombros e sangue. Precisa falar mais alguma coisa sobre o povo polonês?!



Nosso passeio oficial  pela cidade não poderia começar de maneira melhor, pelo Castelo de Wawel que tem uma história bem interessante. Conta a lenda que nesse monte onde está o castelo vivia um perigoso dragão que saía da sua caverna apenas para comer as ovelhas e espalhar medo nas pessoas. Um dia, o rei cansado dessa intimidação, ofereceu a mão de sua filha em casamento para o corajoso que conseguisse matar o dragão. Muitos tentaram e fracassaram, aí um jovem sapateiro teve a feliz ideia de construir uma ovelha gigante e recheada de enxofre. O dragão comeu, passou mal e ... morreu :) A caverna continua ali, sendo uma das melhores visitas, com certeza.


Nesse muro estão expostas placas com nomes de famílias do mundo inteiro que contribuíram para a reconstrução de toda a área do castelo. Achamos apenas 1 placa de família brasileira. 






Caverna do Dragão


Todo castelo que se preze é cercado por água


You Might Also Like

0 comentários

Posts Populares

Curta a página

Por onde já passei